sexta-feira, 23 de novembro de 2012

PREFACIO - ESTUDO BÍBLICO DE GÊNESIS AO APOCALIPSE

PROLOGO

O fundamento desse Blog são as verdades contidas na BÍBLIA, a PALAVRA do ETERNO DEUS CRIADOR e explicadas muito bem  no livro a UNICIDADE de DEUS, escrito por David K Bernard - Traduzido, corrigido e revisado pelo Pr. José Carlos – S. PAULO.
.
JESUS É O ÚNICO DEUS - PARTE 1 - Igreja Cristo Vive



.
JESUS É O ÚNICO DEUS - PARTE 2 - Igreja Cristo Vive



Não pretendo tirar a autoria e direitos reservados a ninguém; Meu único objetivo é ajudar a divulgar esse estudo Bíblico para que mais pessoas conheçam que a maior VERDADE bíblica está em JESUS CRISTO nosso SENHOR e DEUS, além do mais, cumprir com a grande comissão :

MATEUS 28 : 16 - 20.....Os onze discípulos foram para a Galileia, para o monte que JESUS lhes indicara. 17- Quando o viram, o adoraram; mas alguns duvidaram. 18- Então JESUS aproximou-se deles e disse :  "" Foi me dada  TODA AUTORIDADE nos céus e na terra, 19- Portanto, vão e façam discípulos de todas as nações, batizando-os em nome do Pai e do Filho e do Espirito Santo, ENSINANDO-OS a OBEDECER a TUDO o que EU LHES ORDENEI. E eu estarei sempre com vocês, até o fim dos tempos...... MATEUS 28 : 16 - 20

Oscar Cifuentes Aragon



PREFACIO



Nestas páginas a compreensão é mirada. JESUS CRISTO nosso SENHOR conheceu a linguagem Aramaica comum. Às vezes Ele falava hebraico, um idioma que só os estudiosos usavam naquela época. JESUS poderia conversar em grego, a língua do homem educado. A quem quer que seja a pessoa com a qual JESUS CRISTO falou, Seu alvo foi para ser compreendido. O maior professor de todas as épocas falou em condições que podiam ser compreendidos.


Profundidade e simplicidade ao mesmo tempo. Que paradoxo! O autor deste livro tem conseguido fazer o que parece ser impossível. Ele tem transmitido profundidade intelectual enquanto preservando a simplicidade. É um milagre teológico. Freqüentemente o realmente profundo é mais simples, e o simples o mais verdadeiramente profundo. O tratamento da UNICIDADE de DEUS neste livro é projetado para ser simples; mas as verdades são profundas, estudiosos, inestimáveis, e essenciais ao povo de DEUS e o mundo perdido.

Um livro precisa alcançar pelo menos dois critérios principais para ser um livro muito vendido (best-seller). Deve ser escrito de forma interessante e deve preencher uma necessidade. O autor consegue ambos.

Conhecer o autor e a sua visão é entender mais acerca do livro. Eu espero que você possa o encontrar e o conhecê-lo como eu o conheço. David Bernard é um exemplo humano de princípios Cristãos. Que estas páginas possam se tornar um clássico entre nós e um guia para o mundo minucioso que busca enquanto eles descobrem o ÚNICO, VIVO e VERDADEIRO DEUS.

Agora eu recomendo o autor e livro para você e toda a posteridade.


T. L. Craft
Jackson, Mississippi
Traduzido, corrigido e revisado pelo Pr. José Carlos – S. PAULO.
Índice de Conteúdo
Apresentação
Prefácio do Autor

quinta-feira, 22 de novembro de 2012

CAPITULO 1- MONOTEÍSMO CRISTÃO

A UNICIDADE de DEUS nosso SENHOR
Capítulo 1 - MONOTEISMO CRISTÃO
Definição de Monoteísmo: O Antigo Testamento Ensina Que Há Somente Um Deus; O Novo Testamento Ensina Que Há Apenas Um Deus; Conclusão


Capítulo 1. MONOTEÍSMO CRISTÃO

" Ouve, Israel: o SENHOR nosso DEUS é o único SENHOR " ( Deuteronômio 6 : 4 ).
" DEUS é um " ( Gálatas 3 : 20 ).
Há um Deus. Há só um DEUS CRIADOR. Esta doutrina é o cento da mensagem Bíblica, e tanto o Velho quanto o Novo Testamento a ensinam claro e enfaticamente. Apesar da simplicidade desta mensagem e da clareza com que a Bíblia a apresenta, muitos que acreditam na existência de Deus não entenderam isto. Até mesmo dentro do Cristianismo, muitas pessoas, inclusive teólogos, não tem entendido esta mensagem bonita e essencial. Nosso propósito é focalizar esta questão, afirmar e explicar a doutrina bíblica da unicidade de DEUS nosso SENHOR.


Definição de Monoteísmo

A crença em um único DEUS CRIADOR é chamada de monoteísmo que deriva de duas palavras gregas: monos, significando só, singular, um; e theos, significando Deus. Aqueles que não aceitam o monoteísmo pode ser classificado em uma das seguintes categorias: ateísta - que nega a existência de Deus; agnóstico - que afirma ser a existência de Deus desconhecida e provavelmente incognoscível; panteísta - que compara Deus com a natureza ou as forças do universo; ou um politeísta - que acredita em mais de um Deus. Diteísmo, a crença em dois deuses, é uma forma de politeísmo, assim como o triteísmo, a crença em três deuses. Entre as principais religiões do mundo, três são monoteísticas: o Judaísmo, o Islamismo, e o Cristianismo.
Há, entretanto, dentro das fileiras dos que se denominam cristãos pontos de vistas divergentes em relação à natureza da Divindade. Uma dessas correntes, chamada trinitarianismo, afirma que há três pessoas distintas na Divindade - Deus Pai, Deus Filho, e Deus Espírito Santo - mas ainda um só Deus. ( Veja o Capítulo 11 -TRINITARIANISMO : DEFINIÇÃO E DESENVOLVIMENTO HISTÓRICO )
Dentro dos graus do trinitarianismo, podemos distinguir duas tendências extremas. Por um lado, alguns trinitarianos enfatizam a unidade de Deus sem ter desenvolvido uma compreensão cuidadosa do significado das três pessoas distintas da Divindade. Por outro lado, outros trinitarianos dão ênfase a triplicidade da trindade a ponto de acreditarem em três seres auto-concientes, e o seu ponto de vista é essencialmente triteistico.
Além do trinitarianismo, há a doutrina de binitarianismo que não classifica o Espírito Santo como uma pessoa separada, mas afirma crer em duas pessoas na Divindade.
Muitos monoteístas têm destacado que tanto o trinitarianismo quanto o binitarianismo debilitam o monoteísmo rígido ensinado pela Bíblia. Eles insistem que a Divindade não pode ser dividido em pessoas e que Deus é absolutamente uno.
Os que acreditam no monoteísmo rígido se dividem em duas classes. Uma classe afirma que há só um Deus, e assim fazendo, nega, de uma maneira ou de outra, a perfeita divindade de Jesus Cristo. Este ponto de vista foi representada na história da igreja primitiva pelos dinâmicos monarquistas, como Paulo de Samosata, e pelos Arenistas, liderados por Arius. Estes grupos relegavam Jesus à posição de um deus criado, deus subordinado, deus filho, ou semideus.
A segunda classe dos verdadeiros monoteísta acredita em um Deus, mas, além disso, acredita que a plenitude da Divindade é manifestada em Jesus Cristo. Eles acreditam que o Pai, Filho, e Espírito Santo são manifestações, modos, funções, ou relacionamentos que o Deus único tem exibido ao homem. Os historiadores da igreja têm usado os termos moralismo e monarcianismo modalistico para descrever esse ponto de vista, sustentado na igreja primitiva por líderes como Noetus, Praxeas, e Sabellius. (Veja Capítulo 10 – CRENTES UNICISTAS NA HISTÓRIA DA IGREJA.)
No século vinte, aqueles que acreditam tanto na indivisível unicidade de DEUS, quanto na perfeita divindade de JESUS CRISTO, freqüentemente usam a termo Unicidade para descrever aquilo em que crêem. Eles também usam os termos “Um Deus” e “Nome de Jesus”como adjetivos para se auto-denominarem, enquanto os oponentes às vezes usam expressões errôneas e desacreditas como " Só Jesus" e" Assunto Novo." ( O rótulo" Só Jesus " é errôneo porque os trinitarianos insinua uma negação do Pai e do Espírito Santo. Porém, os que acreditam na Unicidade não negam o Pai e Espírito, mas antes vêem o Pai e o Espírito como papéis diferentes do Deus único que é o Espírito de Jesus.)

Em resumo, o Cristianismo apresentam quatro pontos de vista básicas a respeito da Divindade : (1) Trinitarianismo, (2) Binitarianismo, (3) Monoteísmo estrito, com a negação da perfeita divindade de Jesus Cristo, e (4) Monoteísmo estrito com a afirmação da completa deidade de Jesus Cristo, a Unicidade.
Tendo examinado de modo geral o conjunto das crenças humanas sobre a Divindade, vamos olhar o que a Palavra de Deus - a Bíblia - tem a dizer sobre o assunto.
O Velho Testamento Ensina Que Não Há Senão Um Deus
A expressão clássica da doutrina de um só Deus se encontra em Deuteronômio 6 : 4. "Ouve, Israel: o SENHOR nosso DEUS é o único SENHOR." Este verso da Bíblia se tornou a declaração mais distintiva e importante de fé para os judeus. Eles chamam isto o Shema, de acordo com a primeira palavra da frase em hebraico, e eles citam freqüentemente isto em inglês como" Ouve, O Israel, o SENHOR é nosso DEUS, o SENHOR é único". (Também veja o NIV.) Tradicionalmente, um judeu devoto sempre tentou fazer esta confissão de fé antes de
morrer.
Em Deuteronômio 6 : 5, Deus continuou o anúncio do versículo precedente com uma ordem que requer crença total e amor por Ele como um só e único Deus: "Amarás pois o SENHOR teu DEUS com todo o teu coração, e com toda a tua alma, e com toda a tua força ". Devemos notar a importância que Deus atribui a Deuteronômio 6 : 4 - 5. Ele ordena que estes versos sejam colocados no coração (verso 6), ensinados às crianças ao longo do dia (verso 7), atado à mão e à testa (verso 8), e escrito nos umbrais e nas portas das casas (verso 9). Os Judeus ortodoxos obedecem literalmente essa ordem ainda hoje amarrando o tefillin (phylacteries) nos seus antebraços esquerdos e nas testas quando oram, e colocando mezuzzah em suas portas e portões. (Teffilin são pequenas caixas amarradas ao corpo através de correias de couro, e mezuzzah são pequenos recipientes contendo pequenos rolos das escrituras.) Dentro dos dois tipos de recipientes estão versículos das Escrituras manuscrito em tinta preta por um homem piedoso que observou certos rituais de purificação dentro de ambos. Os versos da Bíblia geralmente são Deuteronômio 6 : 4 - 9, 11 : 18 - 21, Êxodo 13 : 8 - 10, e 13 : 14 - 16.
Durante uma viagem para Jerusalém onde nós colhemos a informação anterior, [1] tentamos comprar o tefillin. O comerciante judeu Ortodoxo disse que ele não vendia tefillin a cristãos porque eles não acreditam nele e nem têm a devida reverência a esses versos das Escrituras. Quando nós citamos Deuteronômio 6 : 4 e explicamos nossa total concordância a isto, os olhos dele iluminaram e ele prometeu vender a nós com a condição de que nós tratássemos o tefillin com cuidado e respeito. A preocupação dele mostra a reverência extrema e profundidade de convicção que os judeus têm para o conceito de um único Deus. Também revela que uma razão principal para a rejeição judia do Cristianismo ao longo de história é a distorção percebida da mensagem de monoteística.
Muitos outros versos da Bíblia no Velho Testamento afirmam enfaticamente o monoteísmo estrito. Os Dez Mandamentos começam com, “Não terás outros deuses diante de mim"      ( Êxodo 20 : 3;  Deuteronômio 5 : 7 ). Deus enfatizou este comando declarando que Ele é um Deus zeloso

( Êxodo 20 : 5 ).
Em Deuteronômio 32 : 39, Deus disse que não há nenhum outro deus com ele. Não há nenhum deus semelhante ao SENHOR e não há nenhum Deus ao lado d‟Ele ( II Samuel 7 : 22; I Crônicas 17 : 20 ). só Ele é Deus ( Salmo 86 : 10 ). Há enfáticas declarações de Deus em Isaías.
"Antes de mim Deus nenhum se formou, e depois de mim nenhum haverá. Eu, eu, sou o SENHOR; e fora de mim não há salvador" ( Isaias 43 : 10 - 11 ).                                                 
"Eu sou o primeiro, e eu sou o último; e ao lado de mim não há nenhum Deus" ( Isaias 44 : 6 ).
"Há outro Deus além de mim? Não, não há outra rocha que eu conheça" ( Isaias 44 : 8 ).
"Eu sou o SENHOR que faço todas as coisas; que sozinho estendi os céus; e sozinho espraiei a terra " ( Isaias 44 : 24 ).
Além de mim não há outro. Eu sou o SENHOR e não há nenhum outro" ( Isaias 45 : 6 ).

Não há outro DEUS senão eu; um Deus justo e Salvador; não há além de mim. Olhai para mim, e sede salvos, vós todos os termos da terra: porque eu sou Deus, e não há nenhum outro"
( Isaias 45 : 21 - 22 ).
"Lembrai-vos das coisas passadas da antiguidade; porque eu sou Deus, e não há nenhum
outro, eu sou Deus, e não há outro semelhante a mim" ( Isaias 46:9 ).
"Eu não darei minha glória a outrem" ( Isaias 48:11; veja também Isaias 42:8 ).
“Ó SENHOR dos exércitos, Deus de Israel que estás entronizado acima dos querubins, tu somente és o Deus de todos os reinos da terra tu só fizestes os céus e a terra ( Isaias 37:16 )”
Há somente um Deus que é o Criador e Pai da humanidade ( Malaquias 2:10 ). Durante o Reinado do Milênio, haverá um só SENHOR com um só nome ( Zacarias 14:9 ).
Em resumo, o Velho Testamento fala de Deus como sendo único. Muitas vezes a Bíblia chama Deus de o Santo de Israel ( Salmo 71:22; 78:41; Isaias 1:4; 5:19; 5:24 ), mas nunca de " santo dois, santo três," ou " muitos santos."
Uma observação comum feita por alguns trinitarianos sobre a doutrina do Velha Testamento da unicidade de Deus é que Deus teria apenas pretendido dá ênfase à sua unicidade em oposição aos deuses pagãos, embora Ele ainda existisse como uma pluralidade. Porém, se esta conjetura fosse verdade, por que Deus não fez isto claro? Por que os judeus não entenderam uma teologia de " pessoas" mas insistiu em um monoteísmo absoluto? Nos deixe olhar para isto do ponto de vista de Deus. Suponha que Ele quis excluir qualquer crença na pluralidade da Divindade. Como Ele poderia fazer usando terminologia então-existente assim? Que palavras Ele poderia usar, fortes bastante, para comunicar sua mensagem ao seu povo? Pensando sobre isso, nós perceberemos que Ele usou a linguagem mais forte possível capaz de descrever a unicidade absoluta. Nos versos antes citados em Isaias, nós notamos o uso de palavras e frases como" nenhum, não há outro, nenhum semelhante, nenhum ao lado de mim, só, sozinho," e" um só." Seguramente, Deus não pôde fazer isto mais claro que não existe nenhuma pluralidade na Divindade. Em resumo, o Velho Testamento afirma que Deus é absolutamente um, em número.
O Novo Testamento Ensina Que Não Há Senão Um Deus
Jesus ensinou enfaticamente Deuteronômio 6 : 4, chamando-o de primeiro de todos os mandamentos ( Marcos 12 : 29 - 30 ). O Novo Testamento pressupõe o que ensina
o Velho Testamento de que há um só Deus e explicitamente repete esta mensagem muitas vezes.
"Visto que Deus é um só o qual justificará" ( Romanos 3 : 30 ).
“Não há senão um só Deus” ( I Corintios 8 : 4 ).
"Para nós há um só Deus, o Pai" ( I Corintios 8 : 6 ).
"Mas Deus é um" ( Gálatas 3 : 20 ).
"Um só Deus e Pai de todos" ( Efésios 4 : 6 ).
"Porquanto há um só Deus" ( I Timóteo 2 : 5 ).
"Tu crês que há um só Deus; fazes bem: os demônios também acreditam, e tremem"

( Tiago 2 : 19 ).
Novamente, a Bíblia chama Deus de o Santo ( I John 2 : 20 ). Há um trono no céu e apenas um senta nele ( Apocalipse 4 : 2 ).
Em capítulos subseqüentes nós exploraremos em maior profundidade, o monoteísmo do Novo Testamento, mas os anteriores versos da Bíblia são suficientes para estabelecer que o Novo Testamento ensina que DEUS é um.

Conclusão

Como nós vimos, a Bíblia inteira ensina um monoteísmo estrito. O povo de DEUS sempre foi identificado com a mensagem de um - único DEUS. Deus escolheu Abraão por sua disposição de abandonar os deuses de sua nação e do seu pai e adorar o único Deus verdadeiro ( Gênese 12 : 1 - 8 ). Deus castigou Israel todas as vezes que o povo começou a adorar outros deuses, e adoração politeísta foi uma das principais razões para que Deus finalmente os enviasse para o cativeiro ( Atos 7 : 43 ). O Salvador veio ao mundo através de uma nação (Israel) e através de uma religião (o Judaísmo) cujo povo tinha se libertado finalmente do politeísmo. Eles eram completamente monoteístas.
Hoje, Deus ainda exige para Ele uma adoração monoteísta. Nós na igreja somos os herdeiros de Abraão pela fé, e essa posição de honra exige que tenhamos a mesma fé monoteísta no Deus de Abraão ( Romanos 4 : 13 - 17 ). Como cristãos no mundo jamais temos que deixar de exaltar e proclamar a mensagem de que há apenas um ÚNICO e VERDADEIRO DEUS VIVO.

quarta-feira, 21 de novembro de 2012

CAPITULO 2- A NATUREZA DE DEUS

A Unicidade de DEUS nosso SENHOR
Capítulo 2. A NATUREZA DE DEUS

" DEUS é Espírito: e importa que os seus adoradores o adorarem em espírito e em verdade " ( João 4 : 24 ).
Para continuarmos nosso estudo sobre a unicidade de DEUS nosso SENHOR, é essencial que saibamos mais sobre a natureza de Deus. Claro que, nossas mentes humanas são limitadas e não podem naturalmente descobrir ou compreender tudo que há para ser conhecido com relação a Deus, mas a Bíblia descreve com clareza muitas características importantes e atributos que Deus possui. Neste capítulo nós discutiremos alguns dos atributos de Deus que os fazem Deus - esses que formam uma parte essencial e substancial de sua natureza. Nós também estudaremos alguns dos modos nos quais Deus revelou a sua natureza à humanidade, particularmente por manifestações visíveis.
DEUS É ESPIRITO
Jesus proclamou esta verdade em João 4 : 24. A Bíblia revela se maneira consistente, desde Gênese 1 : 2 ( " E o Espírito de Deus movia sobre a face das águas " ) até Apocalipse 22 : 17 ( " E o Espírito e a noiva dizem, Vem " ). Hebreus 12 : 9 chama Deus de Pai dos espíritos.
O que é um espírito? O Dicionário de Webster inclui em sua definição da palavra o seguinte": UM ser sobrenatural, um ser incorpóreo, racional.geralmente invisível aos seres humanos mas que tem o poder para ficar visível segundo à sua vontade. um ser que tem uma natureza incorpórea" ou imaterial. [2] a palavra hebraica traduzida como espírito é ruwach, e pode significar vento, respiração, vida, raiva, sopro, sem substancialidade, região do céu, ou espírito de um ser racional. A palavra grega traduzida por espírito, pneuma, pode significar uma corrente de ar, respiração, sopro, explosão, vento, brisa, espírito, alma, princípio vital, disposição, anjo, demônio, ou Deus. [3] todas essas definições enfatizam que um espírito não tem carne e ossos ( Lucas 24 : 39 ). Semelhantemente, Jesus indicou que o Espírito de Deus não tem carne e sangue ( Mateus 16 : 17 ). Assim, quando a Bíblia diz que Deus é Espírito, significa que Ele não
pode ser visto ou pode ser tocado fisicamente por seres humanos.
Como um Espírito, ele é um Ser inteligente, sobrenatural que não tem um corpo físico. Deus É Invisível Considerando que Deus é um Espírito, Ele é invisível a menos que Ele escolha se manifestar em alguma forma visível para homem. Deus falou para Moises, “Tu não poderás ver a minha face: porquanto nenhum homem verá a minha face, e viverá"
( Êxodo 33 : 20 ). "Ninguém jamais viu a Deus” ( João 1 : 18; I João 4 : 12 ). Não apenas ninguém jamais viu a Deus, como algum homem é capaz de ver Deus ( I Timóteo 6 : 16 ). Várias vezes a Bíblia descreve Deus como invisível ( Colossenses 1 : 15; I Timóteo 1 : 17, Hebreus 11 : 27 ). Embora o homem possa ver Deus quando Ele aparece em várias formas, nenhum homem pode ver o Espírito invisível de Deus diretamente.
Deus É Onipresente ( Presente Em todos Os lugares )
Porque Deus é um Espírito Ele pode estar presente em todos os lugares ao mesmo tempo. Ele é o único Espírito que é verdadeiramente onipresente; para todos os outros espíritos como demônios, anjos e o próprio Satanás podem ser limitados, a locais específicos ( Marcos 5 : 10; Judas 6; Apocalipse 20 : 1 - 3 ).
Embora Deus seja onipresente, nós não O podemos comparar com a natureza, substância, ou forças do mundo (o que seria panteísmo), porque Ele tem individualidade, personalidade, e inteligência reais.
Salomão reconheceu a onipresença de Deus quando orou na dedicação do Templo, dizendo: “Veja, o céu e até o céu dos céus não podem conter” ( I Reis 8 : 27; veja II Crônicas 2 : 6; 6 : 18 ). Deus declarou sua onipresença dizendo: “O céu é meu trono, e a terra é o estrado dos meus pés" ( Isaías 66 : 1; veja também Atos 7 : 49 ). Paulo pregou que o Senhor não está “longe de cada um de nós: Pois nele vivemos, e nos movemos, e existimos" ( Atos 17 :27 - 28 ). Talvez a mais bela descrição da onipresença de Deus encontramos no Salmo 139 : 7 - 13: “Para onde ausentarei do teu espírito? Para onde eu fugirei de tua presença? Se eu subo aos céus, tu lá estás: se eu arrumar minha cama no mais profundo do abismo, veja, tu lá estás também. Se tomar às asas da alvorada, e me detenho nos confins dos mares; Ainda lá me conduzirá, e a tua mão direita me segurará. Se eu disser, Seguramente a escuridão me cobrirá; até mesmo a noite estará clara sobre mim. Até as próprias trevas não te serão escuras: a escuridão e a luz são ambos semelhante para ti. Pois tu formaste o meu interior: tu me teceste no” útero de minha mãe.
Se DEUS é onipresente, por que a Bíblia O descreve como estando no céu? Há várias razões. (1) Esse fato ensina que Deus é transcendental. Em outras palavras, Ele está além da compreensão humana e Ele não está limitado a esta terra. (2) Essa descrição se refere ao centro do raciocínio e atividade de Deus - sua própria matriz, por assim dizer. (3) Ele se refere à presença imediata de Deus; quer dizer, a totalidade da glória e do poder Deus a que nenhum homem mortal pode ver e ainda pode continuar vivo ( Êxodo 33 : 20 ). (4) , pode se referir também à manifestação visível de Deus aos anjos nos céus. Não significando isso, no entanto que Deus não esteja onipresente, não que esteja limitado a um lugar, ou é limitado a um corpo.
Semelhantemente, quando a Bíblia diz que Deus veio para terra ou se apareceu a um homem, ele não nega a sua onipresença. Ela simplesmente significa que o foco da sua atividade se deslocou para a terra pelo menos no que se refere a determinado indivíduo ou uma certa
situação. Quando Deus vem à terra, o céu não se torna vazio.
Ele continua no céu como sempre. Ele pode agir simultaneamente no céu e na terra, ou em vários locais em terra. É muito importante que reconheçamos a magnitude da onipresença de Deus e não a limitemos à nossa experiência humana.
DEUS Tem Corpo?
Sendo Deus um Espírito invisível e onipresente, Ele certamente não tem um corpo do modo como entendemos que um corpo seja. Ele realmente assumiu várias formas e manifestações temporárias ao longo do Velho Testamento de forma que o homem pudesse vê-lo. (Veja a seção depois em teofanias neste capítulo.) Porém, a Bíblia não registra qualquer manifestação corpórea permanente de DEUS até o nascimento de JESUS CRISTO. Claro que, em Cristo, Deus teve um corpo humano e agora tem um glorificou, corpo humano imortal.
Fora das manifestações temporárias de Deus e fora da revelação de Deus em Cristo no Novo Testamento, acreditamos que as referências bíblicas encontradas aos olhos, mãos, braços, pés, coração, e outras partes do corpo de Deus sejam exemplos de linguagem figurativa ou antropomorfismos (interpretações de algo não humano em termos humanos de forma que homem possa entender).
Em outras palavras, a Bíblia descreve o Deus infinito em termos humanos finitas, para que nós O possamos compreender melhor. Por exemplo, o coração de Deus denota seu intelecto e as suas emoções, não um órgão bombeador do sangue- ( Gênesis 6 : 6; 8 : 21 ). Quando Deus disse que o céu era o seu trono e terra era estrado de seus pés, Ele descreveu a sua onipresença, não um par de pés literalmente sustentados sobre o globo ( Isaias 66 : 1 ). Quando Deus disse que a sua mão direita estendeu os céus, Ele descreveu o seu grande poder e não uma grande mão desdobrando os céus ( Isaias 48 : 13 ). "Os olhos do SENHOR estão em todo lugar" não signifique que Deus tem olhos físicos em todos os locais, mas indica sua onipresença e onisciência ( Provérbios 15 : 3 ). Quando Jesus expulsou demônio pelo dedo de Deus, Ele não baixou um dedo gigantesco vindo dos céus, mas Ele exercitou o poder de Deus   ( Lucas 11 : 20 ). O refolgar das narinas de Deus não era partículas literais emitidas por narinas divinas gigantescas, mas o vento oriental forte enviado por Deus para separar o Mar Vermelho ( Êxodo 15 : 8; 14 : 21 ). Na realidade, a interpretação literal de todas as visões e descrições físicas de Deus nos levariam a acreditar que Deus tem asas ( Salmo 91 : 4 ) ou rodas ( Daniel 7 : 9 ). Em resumo, nós acreditamos em DEUS como um Espírito não tem corpo a menos que Ele escolha se manifestar em uma forma corpórea como Ele o fez na pessoa de JESUS CRISTO. (Veja Capítulo 4 - JESUS CRISTO É DEUS.)
Alguns dizem que no Testamento Velho Deus tinha um corpo espiritual visível aos outros seres espirituais como os anjos. Eles levantam esta hipótese porque os espíritos humanos parecem ter uma forma capaz de ser reconhecida pelos outros espíritos ( Lucas 16 : 22 - 31 ) e porque algumas passagens indicam que os anjos e Satanás presenciaram uma manifestação visível de Deus no Velho Testamento ( I Reis 22 : 19 - 22; Jó 1 : 6 ). Porém, Deus não precisava de um corpo espiritual para fazer isto porque Ele perderia ter se manifestado por várias vezes a outros espíritos da mesma maneira como se manifestou ao homem. Um verso fundamental da Bíblia insinua que comumente Deus não é mesmo visível aos seres espirituais a menos que Ele escolha se manifestar de algum modo": Deus foi manifesto na carne. "contemplado por anjos
( I Timóteo 3 : 16 ).
Finalmente, se Deus tivesse mesmo algum tipo de corpo espiritual Ele certamente não estaria limitado a isto como outros seres espirituais estão confinados a seus corpos; para então Ele não seria verdadeiramente onipresente. Por exemplo, a onipresença de Deus significa que Ele poderia ter aparecido simultaneamente aos homens na terra e aos anjos nos céu. Precisamos ter em mente, Também, que nos tempos do Novo Testamento DEUS  escolheu se revelar completamente através de JESUS CRISTO ( Colossenses 2 : 9 ). Não há nenhuma possibilidade de separar Deus e Jesus, e não há outro Deus visível fora de Jesus.
Deus é Onisciente ( Conhece Tudo )
Salmo 139 : 1 - 6 nos ensina que Deus sabe todas as coisas, inclusive nossos movimentos, pensamentos, caminhos, modos, e palavras. Jó confessou: " Bem sei que tudo podes, e que nenhum dos teus pensamentos pode ser frustrados " ( Jó 42 : 2 ). Deus tem o conhecimento completo de todas as coisas, inclusive o conhecimento antecipado do futuro ( Atos 2 : 23 ). Como a onipresença, onisciência são atributos que pertence somente a Deus. Ele é “o único Deus sábio" 

( I Timóteo 1 : 17 ). A Bíblia não identifica nenhum outro ser (inclusive Satanás) que possa ler todos os pensamentos do homem, pode prever o futuro com exatidão, ou pode saber tudo que há para ser conhecido.
Deus é Onipotente ( Todo Poderoso )
Muitas vezes ao longo da Bíblia, Deus chama a si mesmo de Todo-poderoso ( Gênesis 17 : 1; 35 : 11, etc. ). Ele tem todo o poder que existe, e nenhum ser pode exercer qualquer poder a menos que Deus permita isto ( Romanos 13 : 1 ). Novamente, só Deus é onipotente, pois só um ser pode ter todo o poder. I Timóteo 6 : 15 descreve Deus como “Bendito e único soberano, o Rei dos reis, e Senhor dos senhores”.Os santos de Deus nos céus proclamarão “Aleluia: pois reina o Senhor nosso Deus o Todo-poderoso" ( Apocalipse 19 : 6 ). Deus descreve sua grande onipotência maravilhosamente em Jó, capítulos 38 a 41.
As únicas limitações que Deus tem são aquelas que Ele coloca de boa vontade em si mesmo ou aquelas sendo o resultado de sua natureza moral. Considerando que Ele é santo e sem pecado, Ele permanece dentro de suas próprias limitações morais. Então, é impossível, portanto para Deus mentir ou contradizer Sua própria Palavra (Tito 1 : 2; Hebreus 6 : 18 ).
Deus é Eterno
Deus é eterno, imortal, e perpétuo ( Deuteronômio 33 : 27; Isaías 9 : 6; I Timóteo 1 : 17 ). Ele é o primeiro e o último ( Isaías 44 : 6 ). Ele não tem começo e não terá fim; outros seres espirituais, inclusive o homem, são imortais no que se refere ao futuro, mas só Deus é eterno no passado e no futuro.
Deus é Imutável (Não Muda)
O caráter e os atributos de Deus nunca mudam “: Porque eu sou o SENHOR, não mudo             

( Malaquias 3 : 6 ). É verdade que Deus às vezes se arrepende (muda seu curso de ação em relação ao homem), mas isso acontece porque o homem muda suas ações. A natureza de Deus permanece a mesma; apenas Seu futuro curso de ação se modifica para responder às mudanças do homem. Por exemplo, o arrependimento de Nínive fez Deus mudar seus planos de destruir aquela cidade ( Jonas 3 : 10 ). A Bíblia também, às vezes fala do arrependimento de Deus no sentido de comover-se ou entristecer-se mas do que no sentido de mudança no seu pensamento 
( Gênesis 6 : 6 )”.
Deus Tem Individualidade, Personalidade, e Racionalidade Deus é um ser inteligente com vontade
( Romanos 9 : 19 ) e capacidade de raciocinar ( Isaías 1 : 18 ). Ele tem uma mente inteligente
( Romanos 11:33-34 ). O fato de o homem ser capaz de ter emoções indica que Deus tem emoções, pois o homem foi criado por Deus à sua própria imagem ( Gênese 1 : 27 ). A natureza emocional essencial de Deus é o amor, mas Ele tem muitas emoções tais como prazer, piedade ou compaixão, ódio ao pecado e zelo pela retidão ( Salmo 18 : 19; Salmo 103 : 13; Provérbios 6 : 16; Êxodo 20 : 5 ). Ele demora enfurecer, mas Ele pode ter sua ira provocada          ( Salmo 103 : 8; Deuteronômio 4 : 25 ). Deus pode ser afligido ( Gênese 6 : 6 ) e santificado          ( Salmo 103 : 1 ). Claro que, suas emoções transcendem nossas emoções, mas podemos descrevê-lo usando condições que descrevem emoções humanas. (Para mais prova del que Deus é um ser individual com personalidade e racionalidade, veja as discussões neste capítulo a respeito da onisciência de Deus e seus atributos morais.)
Os Atributos Morais de Deus
"Deus é amor" ( I John 4 : 8, 16 ). Amor é a essência de Deus; ele é sua mesma natureza. Deus tem muitas outras qualidades e atributos muitos dos quais prolongamentos do seu amor.
Tabela 1 : A Natureza Moral de Deus
1- Amor : I João 4 : 8
2- Luz : I João 1 : 5
3- Santidade : I Pedro 1 :16
4- Misericórdia : Salmo 103 :8
5- Bondade : Salmo 18 : 35
6- Retidão : Salmo 129 : 4
7- Bondade : Romanos 2 : 4
8- Perfeição : 
Mateus 5 : 48
9- Justiça : Isaías 45 : 21
10- Fidelidade : I Corintios 10 : 13
11- Verdade : João 17 : 17
12- Graça : Salmo 103 : 8

Estes atributos morais de Deus não são contraditórios, antes operam em harmonia. Por exemplo, a santidade de Deus exigiu uma separação imediata entre Deus e o homem quando o homem pecou. Então, a justiça e a retidão de Deus exigiam a morte como a penalidade do pecado, mas o amor e a misericórdia de Deus procuraram o perdão. Deus satisfez tanto a justiça quanto a misericórdia pela morte de Cristo no Calvário e do plano de salvação que daí resultou.
Nós desfrutamos os benefícios da misericórdia de Deus quando nós aceitarmos a obra expiatória de Cristo e a aplicamos à nossas vidas pela fé. Quando nós aceitamos e obedecemos pela fé o plano de salvação de Deus, Deus imputa a retidão de Cristo a nós               ( Romanos 3 : 21 - 5 : 21 ). Então, Deus pode nos perdoar justamente do pecado ( I João 1 : 9 ) e pode nos restabelecer a comunhão com Ele sem violar sua santidade.
A morte do Cristo inocente, e sem pecado e a imputação da justiça de Cristo em nós satisfizeram à justiça e à santidade de Deus. Porém, se nós rejeitarmos a expiação de Cristo, seremos deixados sós para enfrentar o julgamento de Deus. Neste caso sua santidade exige separação do homem pecador e sua justiça exige a morte para o homem pecador. Assim justiça e misericórdia são aspectos complementares, não contraditórios, da natureza de Deus, como é a santidade e o amor. Se nós aceitamos o amor e a misericórdia de Deus Ele nos ajudará a satisfazer a sua justiça e santidade. Se nós rejeitamos o amor de Deus e a sua misericórdia nós temos que enfrentar sozinhos a sua justiça e santidade ( Romanos 11 : 22 ).
Claro que, a lista anterior não contém naturalmente de modo exaustivo as qualidades de Deus. Deus é transcendental e nenhum ser humano pode compreendê-lo completamente. "Porque os meus pensamentos não são os vossos pensamentos, nem os vossos caminhos são meus caminhos, diz o SENHOR. Porque assim como os céus são mais altos que a terra, assim são meus caminhos mais alto que vossos caminhos, e meus pensamentos mais altos que os vossos pensamentos" ( Isaias 55 : 8 - 9 ). "Ó profundidade das riquezas tanto da sabedoria como do conhecimento de Deus! Quão insondáveis são os seus juízos, e quão inescrutáveis os seus caminhos!     Quem, pois conheceu a mente do Senhor?   Ou quem foi o seu conselheiro?”     
( Romanos 11 : 33 - 34 ).

Teofanías
Um meio pelo qual Deus se revelava ao nível do homem e tratava com eles no Velho Testamento era através da teofanías. Uma teofanía é uma manifestação visível de Deus, e nós normalmente pensamos nelas como de natureza temporária. Como temos visto, Deus é invisível ao homem. Ele se manifestou em uma forma física. Embora ninguém possa ver o Espírito de Deus, podemos ver uma representação de Deus. Aqui segue alguns modos nos quais Deus escolheu se manifestar no Velho Testamento.
A Abraão Deus apareceu em uma visão, como um fogareiro de fumegante como uma tocha de fogo, e como um homem ( Gênesis 15 : 1; 15 : 17; 18 : 1 - 33 ). Neste último exemplo, Deus e dois anjos apareceram na forma de três homens (18:2) e comeram comidas providas por Abraão. Os dois anjos partiram para Sodoma enquanto Deus permaneceu para falar com Abraão            ( Gênesis 18 : 22; 19 : 1 ).
Deus apareceu a Jacó como um homem e com um sonho ( Gênesis 28 : 12 - 16; 32 : 24 - 32 ).
Na ocasião posterior Jacó lutou com o homem e proclamou, “eu vi Deus cara a cara”.A Bíblia também descreve essa aparição como" o anjo" ( Oséias 12 : 4 ).
Deus apareceu a Moisés em uma nuvem de glória e como fogo no Monte Sinai, falou cara a cara com ele no Tabernáculo, e revelou a ele sua parte de trás (glória parcial), mas não sua face (toda Sua glória) ( Êxodo 24 : 12 - 18; 33 : 9 - 11; 33 : 18 - 23 ). Estas referências à face de Deus e a glória de Deus provavelmente são metáforas da presença de Deus e poderia aplicar a muitos tipos diferentes de manifestações.
Deus se manifestou à vista de todo o Israel por trovão, raios, nuvem, e voz de trombeta, fumaça, fogo, e terremotos ( Êxodo 19 : 11 - 19; Deuteronômio 5 : 4 - 5, 22 - 27 ). Ele também mostrou a sua glória e enviou fogo de sua presença à vista de todo o Israel ( Leviticos 9 : 23 - 24; 10 : 1 - 2 ).
Jó viu Deus em um vendaval (redemoinho) ( Jó 38 : 1; 42 : 5 ).
Vários profetas tiveram visões de Deus ( Isaías 6; Ezequiel 1 : 26 - 28; 8 : 1 - 4; Daniel 7 : 2 - 9; Amos 9 : 1 ). A Ezequiel Ele apareceu na forma de um homem, envolto em fogo. Para Daniel Ele apareceu em uma visão noturna como o Ancião de Dias. Muitos outros versos da Bíblia nos falam que Deus apareceu a alguém mas não descreve de que maneira que Ele o fez. Por exemplo, Deus apareceu a Abraão, Isaque, Jacó, e Samuel ( Gênesis 12 : 7; 17 : 1; 26 : 2, 24; 35 : 9 - 15; I Samuel 3 : 21 ). Semelhantemente, Deus desceu sobre o Monte Sinai e permaneceu com Moisés, revelou-se a setenta e quatro líderes de Israel, desceu em um pilar de nuvem e se levantou em frente a Moisés, Arão, e Miriã encontrou-se com Balaão à noite, e em mais duas outras ocasiões ( Êxodo 34 : 5; 24 : 9 - 11; Números12 : 4 - 9; 23 : 3 - 10, 16 - 24 ).
Além dos aparecimentos mencionados acima, a Bíblia registra outras manifestações que muitos acreditam ser o próprio Deus. Em Josué 5:13-15, um homem que trazia uma espada na mão, apareceu a Josué e se identificou como o" príncipe do exército do SENHOR." Esse título e o fato de que ele não repreendeu Josué por adora-lo (diferente de Apocalipse 19:9-10; 22:8-10 ) sugerem que esta foi realmente uma manifestação de Deus. Por outro lado, o teor desta passagem abre a possibilidade de que Josué não adorou o príncipe, mas a Deus por causa do aparecimento do príncipe.
O Anjo do SENHOR
Algum dos numerosos aparecimentos do “anjo do SENHOR" parecem ser teofanías. O anjo do SENHOR apareceu a Hagar, falou como se fosse Deus, e foi chamado Deus por ela ( Gênesis 16 : 7 - 13 ). A Bíblia diz o anjo do SENHOR aparecido a Moisés no arbusto ardente, mais a seguir afirma que Deus falou com Moisés naquela ocasião ( Êxodo 3; Atos 7 : 30 - 38 ). Êxodo 13 : 21 diz que o SENHOR ia adiante de Israel em uma coluna de nuvem, enquanto Êxodo 14 : 19 diz que o anjo de Deus era a coluna de nuvem. O anjo do SENHOR apareceu a Israel em Juízes 2 : 1 - 5 e falou como Deus. Juízes 6 : 11 - 24 descrevem o aparecimento do anjo do SENHOR a Gideão e a seguir diz que o SENHOR olhou para Gideão. Novamente, o anjo do SENHOR apareceu a Manoá e à sua esposa, e eles acreditaram ter visto a Deus ( Juizes 13 : 2 - 23 ).
Em outras visitações do anjo do SENHOR não encontramos indícios de que fossem manifestações do próprio Deus, mas freqüentemente as pessoas entendem que sim. Exemplos disso são os aparecimentos a Abraão no Monte Moriá e a Balaão
( Gênesis 22 : 11 - 18; Números 22 : 22 - 35 ).
Às vezes o anjo do SENHOR não é claramente uma manifestação de Deus, mas um anjo identificado como um outro ser separado diferente do SENHOR Deus. Exemplos disso são os aparecimentos a Davi e a Zacarias ( II Samuel 24 : 16; I Crônicas 21 : 15 - 30; Zacarias 1 : 8 - 19 ). (Veja Capítulo 7 – EXPLICAÇÕES DO ANTIGO TESTAMENTO para discussão adicional.) O anjo do Senhor no Novo Testamento é aparentemente nada além de um anjo, e com certeza não se trata de Jesus Cristo ( Mateus 1 : 20; 2 : 13; 28 : 2; Atos 8 : 26 ).
Analisando todos estes versos da Bíblia, dizem alguns que o anjo do SENHOR sempre é uma manifestação direta de Deus. Porém, alguns dos exemplos mencionados acima não apóiam de fato esta visão e dois deles contradizem isto. Outros dizem o anjo do SENHOR é uma manifestação de Deus em alguns exemplos e não em outros. Esta segunda visão parece ser consistente com a Bíblia.
Porém, uma terceira visão é que o anjo do SENHOR nunca é o SENHOR, mas sempre literalmente um anjo. Para apoiar esta última visão, dando ênfase que anjos são porta-vozes, mensageiros, e agentes de Deus. Em outras palavras, esta visão sustenta ser apropriado dizer" o SENHOR disse" ou" o SENHOR fez" embora Ele dissesse ou fizesse pela intervenção de um anjo. De acordo com esse ponto de vista, a descrição de um ato de Deus relatado como um aparecimento angelical é um modo resumido de dizer que Deus agiu através do anjo. Desde que os escritores bíblicos deixaram claro desde os princípios dos relatos, que um anjo foi o agente direto, nenhuma ambigüidade ou discrepância precisa existir. Sob esse raciocínio, as pessoas que reconheceram a visitação de Deus ou estavam enganadas na sua crença que tinham visto o próprio Deus ou, mais plausivelmente, reconheceram que Deus estava usando um anjo para falar com eles e então se dirigiu a Deus pelo anjo. Não há outro modo para reconciliar esta terceira visão com versos de Bíblia que identifica o anjo do SENHOR com o próprio SENHOR: isto é, o anjo apareceu visivelmente, mas o SENHOR também estava presente de maneira invisível. Assim sendo, as referências ao SENHOR agindo ou falando podem significar literalmente o SENHOR e não o anjo.
Resumindo, é evidente que o anjo do SENHOR no Velho Testamento não era sempre Deus mesmo. Uma pessoa pode argumentar plausivelmente que o anjo do SENHOR nunca era uma real teofanía, mas não pode combater seriamente que o anjo do SENHOR era sempre uma teofanía. A explicação mais simples é que a expressão, “O anjo do SENHOR”, às vezes se refere a uma teofanía de Deus, mas outras vezes denota nada além de um simples anjo.
Um estudioso trinitariano resume assim o ponto de vista predominante como segue:
"No Velho Testamento o anjo do SENHOR poderia ser apenas um mensageiro de Deus (a própria palavra em hebraico significa mensageiro), distinto do próprio Deus ( 2 Samuel 24 : 16 ), ou ele poderia ser identificado com o próprio SENHOR que fala na primeira pessoa. é típico das teofanías do Velho Testamento o fato de Deus não poder ter sua forma delineada. Deus é livre para tornar sua presença conhecida, mesmo quando os seres humanos precisam ser protegidos de sua presença imediata". [4]

Melquesedeque
Muitos consideram Melquesedeque como um teofanía ( Gênesis 14 : 18 ). Hebreus 7 : 3 diz que
ele era sem pai, mãe, e sem genealogia. Isto poderia significar que ele era Deus em forma humana, ou simplesmente poderia significar que a origem genealógica dele não foi registrada. Hebreus 7 : 4 o chama de homem. Indiferentemente ao fato de ser considerado um homem comum ou uma teofanía de Deus em forma de homem, ele foi um tipo ou símbolo de Cristo    ( Hebreus 7 : 1 - 17 ).
O Quarto Homem no Fogo
Uma suposta teofanía é o quarto homem que apareceu no fogo quando foram lançados Sadraque, Mesaque, e Abedenego na fornalha ( Daniel 3 : 24 - 25 ). O rei pagão que Nebucodonozor disse, “Eu, porém vejo quatro homens soltos... e o aspecto do quarto é semelhante a um Filho dos deuses" ( Daniel 3 : 25 ). Algumas versões dizem “Ao Filho de Deus” Porém, no idioma original (aramaico) não existe o artigo definido antes da palavra Filho; quer dizer, não há o artigo o antes de Filho nesta passagem. O NIV e ABA fazem esta frase como “um filho dos deuses”.O rei estava usando terminologia pagã e não tinha nenhum conhecimento da vinda do único Filho de Deus. Provavelmente o rei viu um anjo, porque ele descreveu esta manifestação como um anjo ( Daniel 3 : 28 ). Parece que a expressão “um filho dos deuses" pode se referir a seres angelicais ( Jó 38 : 7 ). No máximo, o que Nebucodonozor viu pode ter sido apenas uma temporária teofanía de Deus. Certamente, esta não era uma visão do Filho de Deus descrita no Novo Testamento, porque o Filho ainda não tinha nascido e a filiação não tinha ainda começado. ( Veja Capítulo 5 – O FILHO DE DEUS. )
Há Teofanías No Novo Testamento?
O Novo Testamento não registra nenhuma teofanías de DEUS em forma humana a não ser JESUS CRISTO. Claro que, Cristo era mais que uma teofanía; Ele não era só Deus aparecendo-se na forma de um homem, mas Ele era Deus vestido com verdadeiro corpo e natureza humana. O anjo do Senhor em Mateus 1 : 20, 2 : 13, 28 : 2 e Atos 8 : 26 parece ser apenas um anjo e nada mais; não há evidência em contrário. Está claro nessas passagens que o anjo não é Jesus Cristo. Isto está de acordo com a conclusão de que o anjo do SENHOR no Velho Testamento não era sempre o próprio SENHOR. A único possível teofanía do Novo Testamento é a pomba no batismo de Cristo. ( Veja Capítulo 8 – EXPLICAÇÕES DO NOVO TESTAMENTO : OS EVANGELHOS para um estudo completo a respeito da pomba e a razão especial para seu aparecimento).
Por que essa falta de teofanías no Novo Testamento? A razão é que não há nenhuma necessidade delas. DEUS se revela completamente em JESUS  CRISTO. Jesus descreve e revela completamente o Pai ( João 1 : 18 ). Jesus é a imagem expressa do Deus invisível, o brilho de sua glória, e a imagem expressa de sua pessoa ( Colossenses 1 : 15; Hebreus 1 : 3 ).

Conclusão

No Velho Testamento DEUS escolheu revelar aspectos de sua natureza ao homem, através de várias teofanías. Na era do Novo Testamento, a revelação progressiva de DEUS através das teofanías; culminou e encontrou cumprimento perfeito em JESUS CRISTO.
Isso nos leva aos Capítulo 3 – OS NOMES E TÍTULOS DE DEUS e Capítulo 4 - JESUS É
DEUS e à grande verdade que Jesus e o único Deus do Velho Testamento..